- Publicidade -
19.5 C
Poços de Caldas

- Publicidade -

Consumo de medicamentos para tratar saúde mental aumenta mais de 70% entre brasileiros

- Publicidade -

A busca por bem-estar emocional tem se tornado mais comum na vida dos brasileiros. Além das mudanças de hábitos, dados da epharma apontam que o consumo de medicamentos para tratar a saúde mental aumentou 73% na soma entre janeiro e julho deste ano, comparado ao mesmo período do ano passado. 

- Publicidade -

“Esses dados de nossos planos de medicamentos revelam que as pessoas estão cada vez mais preocupadas com seu bem-estar e buscando tratamento, como evidenciado pelo aumento de 83% no número de usuários atendidos em nossos planos de benefícios para cuidar da saúde mental no mesmo período”, explica a farmacêutica Bruna De Vivo, Diretora de marketing e produtos da epharma.

As classes terapêuticas mais consumidas foram antidepressivos, hipnóticos sedativos, antipsicóticos e estabilizantes do humor. “Para o tratamento, é imprescindível procurar a orientação dos especialistas, pois são eles os profissionais capacitados para guiar os pacientes nessa jornada rumo ao reequilíbrio”, acrescenta. 

- Publicidade -

O aumento nas vendas destes medicamentos reflete uma realidade que precisa ser discutida de forma mais ampla. O número de homens que comprou medicações relacionadas à saúde mental praticamente dobrou (+94%) na comparação anual, enquanto o número de mulheres subiu 65%, conforme o levantamento da empresa.

De acordo com a epharma, algumas regiões do país tiveram um aumento acima da média no consumo de medicamentos neste segmento. O crescimento foi de 185% no Nordeste e 140% no Centro-Oeste, na comparação anual. Com relação às faixas etárias, o aumento também foi expressivo: 39 a 43 anos = 99%; 54 a 58 anos = 107%; acima de 59 anos = 311%.

- Publicidade -

Setembro Amarelo

O Brasil enfrenta desafios significativos em relação à saúde psicológica, especialmente após a pandemia de covid-19, levando muitas pessoas a procurarem ajuda com psicólogos, psiquiatras ou grupos de apoio. Mesmo assim, segundo Ana Paula Ribeiro Hirakawa, psicóloga do Cejam – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”, muitas pessoas ainda não sabem como obter acompanhamento para prevenir ou cuidar da saúde mental.

A especialista esclarece que atualmente há mais discussões sobre o sofrimento psíquico, embora ainda haja confusão entre depressão, sintomas depressivos, ansiedade e outras patologias. “O que antes era visto como algo prejudicial e malvisto, hoje é mais compreendido”, observa.

Neste cenário, o Setembro Amarelo é importante para conscientizar as pessoas sobre a importância do diálogo sobre saúde mental e valorização da vida. “Cuidar do bem-estar psicológico é tão importante quanto cuidar da saúde física. Refletir sobre o seu dia, os momentos de lazer, se eles estão realmente sendo para isso, como está seu nível de cansaço e disposição, seu humor e as alterações de humor que estão ocorrendo. Promover momentos de prazer em sua vida é importante, é preciso entender o que você está sentindo e sempre buscar ajuda com um profissional de saúde, quando necessário”, recomenda a psicóloga.
 



- Publicidade - Laboratório Prognose
- Publicidade - Laboratório Prognose
- Publicidade - Laboratório Prognose
- Publicidade - Laboratório Prognose
Veja também
- Publicidade -












Mais do Poços Já
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Don`t copy text!