- Publicidade -
21 C
Poços de Caldas

- Publicidade -

Audiência pública vai discutir “pessoas em situação de rua”

- Publicidade -
divulgação

A próxima audiência pública, a 16ª deste ano, vai discutir “Políticas Públicas voltadas para as Pessoas em Situação de Rua” dia 16 de agosto, às 15h, na Câmara Municipal. O objetivo é atender o requerimento dos vereadores Tiago Braz (Rede) e Diney Lenon (PT).

Podem participar órgãos de imprensa, autoridades, servidores públicos e a comunidade como um todo. O evento será transmitido pelo site, Facebook e YouTube oficiais da Câmara e dúvidas e sugestões poderão ser encaminhadas por mensagem escrita através do Whatsapp (35) 3729-3800.

- Publicidade -

As inscrições para o uso da palavra serão limitadas a oito, excluídas as autoridades da Mesa, devendo ser formuladas até dia 14 de agosto, segunda-feira, às 18h, pelo e-mail: comunicacao@pocosdecaldas.mg.leg.br. Cada expositor terá o prazo de até 5 (cinco) minutos para se manifestar.

Justificativa

- Publicidade -

Os dois parlamentares justificaram a necessidade da audiência dizendo que a população em situação de rua se caracteriza pela pobreza extrema, uso abusivo de álcool e outras drogas, com vínculos familiares interrompidos ou fragilizados e a inexistência de moradia convencional regular, culmina na utilização de logradouros públicos e áreas degradadas como espaço de moradia e de sustento.
Nos últimos anos, diversos municípios do país têm feito campanhas utilizando o termo “não dê esmolas” em alusão às pessoas em situação de rua. Infelizmente, Poços de Caldas está entre esses municípios, pois esse tipo de campanha estigmatiza e exclui ainda mais as pessoas que estão vivenciando tal situação, sendo necessário ampliar os estudos sobre o tema.
“É necessário o espaço de diálogo entre as pessoas em situação de rua e o poder público, a fim de ampliar a discussão sobre o tema. Logo, a audiência pública solicitada é fundamental para debater e encontrar soluções”.

Aporofobia

- Publicidade -

O padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua em São Paulo, é um exemplo de pessoa que vem lutando contra a aporofobia. A aversão à pobreza também é histórica mas só ganhou nome próprio há cerca 20 anos, com os termos de origem grega: á-poros (pobres) e fobos (medo), que juntos resultam na palavra  “aporofobia”, que se refere ao medo e à rejeição aos pobres.
Para combater a aporofobia é necessário assegurar às pessoas em situação de vulnerabilidade  social  acesso às políticas públicas voltadas para a saúde,  educação, previdência social, moradia, assistencial social, segurança, trabalho e  renda. Outro fator de grande relevância consiste na formação e capacitação permanentes dos gestores públicos e profissionais para desenvolver políticas públicas voltadas para estas pessoas.

 



- Publicidade - Laboratório Prognose
- Publicidade - Laboratório Prognose
- Publicidade - Laboratório Prognose
- Publicidade - Laboratório Prognose
Veja também
- Publicidade -






Mais do Poços Já
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Don`t copy text!