- Publicidade -
23.7 C
Poços de Caldas

- Publicidade -

Julgamento do Caso Pavesi é adiado e pode ser realizado em Belo Horizonte

- Publicidade -
Promotor Sidnei Boccia solicitou a transferência do caso para a comarca de Belo Horizonte
Promotor Sidnei Boccia solicitou a transferência do caso para a comarca de Belo Horizonte

O julgamento do Caso Pavesi, que seria realizado nesta quinta-feira (31) em Poços de Caldas, foi adiado. O requerimento partiu do Ministério Público e será julgado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

Segundo o promotor Sidnei Boccia, o principal motivo para o pedido é a divulgação de notas na imprensa a favor dos réus. O conteúdo, assinado pela Associação dos Médicos de Poços de Caldas e pelo Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais, poderia influenciar a decisão dos 25 jurados presentes. “Influenciam sobremaneira a necessária isenção que os jurados devem ter para julgar o mérito desse processo”, disse o promotor.

- Publicidade -

A intenção do MP é que o caso seja transferido para a comarca de Belo Horizonte. O juiz da 1ª Vara Criminal de Poços de Caldas, Narciso Alvarenga Monteiro de Castro, deferiu o pedido e marcou uma nova data para o julgamento, dia nove de outubro.

Juiz remarcou o julgamento para o dia 9 de outubro.
Juiz remarcou o julgamento para o dia 9 de outubro.

Porém, não há confirmação se essa data será mantida caso ocorra a transferência de comarca. “Para a gente não perder os trabalhos já realizados, eu preferi deixar uma data já marcada para o júri, até para que as testemunhas que compareceram já saiam intimadas”, informou o juiz.

- Publicidade -

O requerimento ocorre com pedido de urgência, para que o julgamento seja ainda neste ano. Os réus são os médicos Álvaro Ianhez, José Luiz Bonfitto, José Luiz Gomes e Marco Alexandre Pacheco da Fonseca. estiveram

 

- Publicidade -
Advogado Dório Grossi contesta a existência de homicídio.
Advogado Dório Grossi contesta a existência de homicídio.

Defesa

Os advogados de defesa lamentaram. “Isso é uma dúvida que é lançada sobre a imparcialidade da comunidade de Poços de Caldas para decidir um caso”, disse Leonardo Bandeira, advogado do médico Álvaro Ianhez.

A tese da defesa é de que não houve homicídio. Os advogados alegam que a causa da morte foi apenas o traumatismo craniano sofrido pela criança. “Pode ser aqui, pode ser em qualquer outra comarca desse país, porque a prova fala por si só e é ela que vai conduzir a absolvição de todos os advogados”, disse Dório Grossi, advogado do médico José Luiz Gomes da Silva.

 

Réus estiveram no plenário, na manhã desta quinta-feira (31).
Réus estiveram no plenário, na manhã desta quinta-feira (31).

O caso

Após cair de altura de 10 metros no ano 2000, o menino Paulo Pavesi foi levado para o Hospital Pedro Sanches. Transferido para a Santa Casa de Poços de Caldas, teve órgãos retirados para transplantes. Segundo a denúncia, não há documento que comprove a morte encefálica do menino.

Os médicos Cláudio Fernandes, Celso Scafi e Sérgio Poli foram condenados em primeira instância e recorrem em liberdade, pela retirada ilegal dos órgãos.

Veja também
- Publicidade -












Mais do Poços Já
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Don`t copy text!