- Publicidade -
17.1 C
Poços de Caldas

- Publicidade -

Museu Vivo, a arte e história num dos mais especiais locais da cidade

- Publicidade -
Projeto é realizado há três anos, pela Cia. Dell’arte.
Projeto é realizado há três anos, pela Cia. Dell’arte.

Que tal ser recebido no Museu Histórico de Poços de Caldas por personagens do século XIX e com eles fazer um passeio pela época de Dom Pedro II ? Esta é a proposta do Projeto Museu Vivo desenvolvido pela Cia Dell’arte de Teatro durante a programação do JulhoFest.

Personagens vestidos a caráter com figurinos de época recontam as histórias de nossa cidade com muitas curiosidades e bom humor. Eles recebem os visitantes na entrada do Museu que fica no Complexo Cultural da Urca, um casarão onde viveu a tradicional família Junqueira. Depois seguem conduzidos pela curiosidade dos móveis, trajes e objetos reunidos no Museu.

- Publicidade -

A Cia. Dell’arte existe há cinco anos e há três realiza o projeto em parceria com o Museu e o Departamento Municipal de Cultura de Poços de Caldas no sentido de valorizar o espaço e sua utilização com o importante acervo que abriga.

Os personagens são fictícios: Zé, um morador e caseiro do da propriedade, o Cel. Libório Pinheiro casado com Filomena e Madame Juju, que representa da vida nos casinos na época do jogo. No elenco estão: Roni Mocchegiani, Elisângela Virga, Grace Souza e Marcelo Betti, que também dirige a intervenção.

Marcelo é ainda cenógrafo, artista plástico responsável pela decoração da Festa Uai. Viveu na Itália onde aperfeiçoou seu trabalho e onde também participou de festivais internacionais. Em 2013 o Projeto Museu Vivo obteve o apoio cultural por meio de aprovação na Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

A proposta envolve a interação lúdica com o público num jeito agradável e participativo de conhecimento. Alguns fatos da época chamam a atenção como a chamada telefônica que durava três dias para ser realizada. Desta forma os personagens, convidados para uma festa na imponente casa, que queriam notícias sobre a chegada de trem da família Junqueira vinda do Rio de Janeiro onde passou uma temporada, foram surpreendidos pelos donos da casa antes mesmo de completar a ligação.

O prédio do Museu pertenceu, desde 1818, ao capitão José Bernardes Junqueira. Por isso, quando o Senador Joaquim Floriano Godoy declarou de utilidade pública os terrenos junto aos poços de água sulfurosa, determinou também a desapropriação do local. Um expediente que acabou se mostrando desnecessário, porque o próprio capitão se encarregou de doar 96 hectares de suas terras para a fundação da cidade. O ato foi assinado no dia 6 de novembro de 1872, data em que se comemora o aniversário de Poços de Caldas. Poços recebeu seu primeiro visitante ilustre, o Imperador Dom Pedro II,

em outubro de 1886. Ele esteve na freguesia, acompanhado da imperatriz dona Tereza Cristina, para a inauguração do Ramal da Estrada de Ferro Mogiana. Três anos depois, em 1889, a cidade foi desmembrada do distrito de Caldas e elevada à categoria de vila e município. A prosperidade e o luxo tiveram seu grande momento em Poços de Caldas enquanto o jogo esteve liberado no Brasil. Pelos salões do Palace Casino e do Palace Hotel desfilava a nata da aristocracia brasileira e até de outros países com suas muitas histórias narradas pela Cia Dell’arte de Teatro.

As apresentações acontecem até a próxima quinta-feira, 24, entre 15h e 16h com entrada franca, no Museu Histórico de Poços de Caldas.

Veja também
- Publicidade -
Mais do Poços Já
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Don`t copy text!