- Publicidade -
17.1 C
Poços de Caldas

- Publicidade -

Ex-presidente da Fungotac é condenado a devolver R$74 mil

- Publicidade -

Mário de Paiva Neto, ex-presidente da Fundação Gota de Leite (Fungotac), foi condenado pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) a devolver R$74.997,95 à instituição. De acordo com o TJ, ele se apropriou desse valor. Além disso, abasteceu carros próprios com combustível da fundação e desviou farinha e óleo para a sua pastelaria.

A decisão foi divulgada na quinta-feira (6). O Tribunal mantém a sentença proferida pelo juiz da primeira instância, Antônio Pereira Gatto, em setembro de 2012. As irregularidades foram apontadas em uma auditoria particular realizada a pedido da tesoureira da Fungotac, que assumiu o cargo em 2002. 

- Publicidade -

O atual presidente da Fungotac, Dino Arruda, disse que esse dinheiro pode ser utilizado em uma reforma na sede da instituição. “Será feita justiça. Afinal de contas, esse dinheiro foi desviado e volta para nós em uma boa hora”. 

Defesa

- Publicidade -

Mário e a esposa, Edna Paiva, comandaram a fundação de 1994 a 2001. Durante o processo, a defesa alegou que a administração melhorou o serviço prestado pela entidade. Eles teriam aumentado o atendimento de 200 para 520 alunos, o fornecimento de cestas básicas de 70 para 125 e o de leite em pó passou de 30 para 50 famílias. A assistência médica e odontológica, que era prestada a 300 gestantes por mês, subiu para 500 consultas. Além disso, eles destacaram que melhoraram as instalações prediais e adquiriram um aparelho de ultrassom e um gabinete dentário para a instituição.

“Se houve equívocos contábeis, o que se admite apenas para argumentar, jamais houve má intenção, apenas o tropeço de pessoas inexperientes e leigas no que tange à legislação de fundações que, no afã de resolver diariamente um grande número de problemas que lhes chegavam às mãos, tomavam as decisões que lhes pareciam mais acertadas”, alegou a defesa. Quanto aos gastos, os ex-diretores alegaram que se tratava de reembolsos de gastos pessoais no exercício de suas funções, pois seus cargos não eram remunerados.

- Advertisement -

O comerciante foi procurado pelo Poços Já, mas não foi encontrado.

Veja também
- Publicidade -












Mais do Poços Já
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
Don`t copy text!